Brasil é o próximo grande nome do vinho sul-americano?



We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

O Brasil é um país das maravilhas tropical comumente associado a florestas tropicais, praias e, se você estiver com muita bebida, cachaça. Não é o tipo de imagem que grita “país do vinho”. Mas, contra todas as probabilidades, esta paisagem exuberante cresceu silenciosamente e se tornou uma das maiores produtoras de vinho do hemisfério sul.

E não é só porque está fazendo muito vinho. É muito saboroso também. À medida que um número crescente de garrafas chega às prateleiras da América do Norte, é hora de tomar nota do que é o vinho brasileiro.

A principal região vitivinícola do Brasil está localizada no estado do Rio Grande do Sul, no extremo sul. Aqui, em colinas longe o suficiente do alcance do equador, um clima mais fresco e seco persiste durante grande parte do ano. Em torno da capital, Porto Alegre, está um ambiente que permite o florescimento das variedades clássicas da América do Sul. Tannat, malbec, cab franc, cabernet sauvignon e chardonnay estão todos reunidos em abundância.

Não foi até o final do século 20, no entanto, que os investidores estavam dispostos a desembolsar o capital necessário para dar início às operações de vinificação. Durante grande parte da era moderna, as uvas cultivadas aqui foram usadas para gerar suco de frutas. As coisas começaram a mudar quando os brasileiros desenvolveram o gosto pelo champanhe, por volta do início dos anos 1970.

De repente, passou a fazer sentido financeiro começar a produzir garrafas de espumante de acordo com as tradições da França, mas com preços mais baixos. Os primeiros a adotar incluíram Salton, Don Giovanni, Geisse e a marca europeia Moët & Chandon, todas as quais estabeleceram instalações de produção na área no início dos anos 1980 e agora exportam seus rótulos para os mercados dos EUA.

Embora os métodos de envelhecimento em cavernas tenham sido inicialmente inspirados no Champagne, muitas das uvas que vão para a garrafa diferem drasticamente de suas contrapartes do Velho Mundo. Varietais como merlot e moscato freqüentemente substituem o pinot noir e o pinot meunier, dando aos vinhos resultantes um pop mais frutado, mais agressivo e uma popularidade duradoura. Hoje, quase metade de todo o vinho feito no Brasil é borbulhado.

Para um bom exemplo de como a categoria se desvia de seus antepassados ​​franceses, procure uma garrafa de espumante cuvee brut da Miolo. Oferece notas tropicais sem exagerar em sua doçura, e seu final longo é difícil de igualar em outros vinhos espumantes por este preço (cerca de US $ 24).

Mas se espumante não é sua praia, Porto Alegre pode surpreendê-lo ainda. Embora não tenha o poder de estrela de regiões vinícolas de tamanhos semelhantes na Argentina e no Chile, os tannats e malbecs do sul do Brasil podem ser comparáveis ​​em qualidade e imbatíveis em valor. Pizzato, um produtor boutique no Vale Dos Vinhedos, engarrafa uma versão elegante do antigo que é embalado com tabaco, couro e especiarias persistentes. Lidio Carraro oferece uma elegante safra 2011 de malbec, encorajada pela adição de cabernet sauvignon. Não muito longe daqui, a Casa Valduga amadurece o seu merlot em carvalho francês subterrâneo, resultando num vinho sério impregnado de aromas a frutos de caroço.

Nos esforços para penetrar nos mercados americanos, o obstáculo mais significativo tem sido a relutância dos bebedores em se aventurar fora das normas bem estabelecidas. Por que se arriscar em uma garrafa do Brasil quando você sabe o que está recebendo da França, Itália ou Napa?

Bem, se você não fizer isso, você nunca saberá o que está perdendo. Assim como você nunca deve julgar um livro pela capa, você não deve julgar um vinho pela sua proveniência. O verdadeiro valor está no líquido além do rótulo, é claro. Explore o vinho brasileiro e provavelmente descobrirá mais do que esperava.


Assista o vídeo: COMO É FEITO O VINHO #Boravê com Mari Fulfaro Manual do Mundo


Comentários:

  1. Yas

    A vida é essa. Você não vai fazer nada.

  2. Vudoran

    Felicito, aliás, este magnífico pensamento

  3. Cheops

    Isso é uma coisa preciosa

  4. Eth

    Direto no alvo :)

  5. Pemton

    Concordo, uma peça notável

  6. Mamuro

    É uma pena que eu não possa me expressar agora - é muito tomada. Eu voltarei - vou expressar absolutamente a opinião.

  7. Azaryah

    Este é um caso especial..



Escreve uma mensagem


Artigo Anterior

Uva Assada, Chevre e Pão Achatado de Mel

Próximo Artigo

Zig a Zig Ahh